Novak Djokovic

Novak Djokovic

Um pouco da história de Novak Djokovic


O destino tem preferências curiosas. Quis que Novak Djokovic igualasse os 14 Grand Slam de Pete Sampras com a mesma idade e no mesmo torneio que o mágico norte-americano do saque-voleio. Mas enquanto Pete fez um adeus silencioso e nunca mais encarou o circuito profissional, Nole volta a praticar um tênis de primeiríssima qualidade e de grande vigor físico, deixando a clara impressão de que há muito a ganhar.

Naquele setembro de 2002, Sampras ampliava seu recorde absoluto de troféus de Slam e dava a sensação de que talvez fosse uma marca eterna. Apenas 16 anos depois, está superado com folga por Roger Federer e Rafael Nadal, assiste ao empate de Djokovic e parece uma história distante. O esporte é ao mesmo tempo incrível e cruel.

Com dois títulos e uma quartas de Slam em menos de quatro meses, três troféus de peso e uma final nos últimos cinco torneios, o sérvio dá uma espetacular volta por cima e rouba a cena do tênis masculino, ao mesmo tempo em que vê seus principais adversários cheios de incertezas. Claro que a distância de três Slam para Rafa e de seis para Federer demanda longevidade porque talvez sejam necessárias mais duas ou três temporadas até atingir metas tão ousadas. Dependerá essencialmente de foco e Djoko já afirmou que divide sua vida hoje com outras prioridades.

O tricampeonato no US Open veio com o drama do mal estar climático das primeiras rodadas. Assim que conseguiu se concentrar apenas no tênis, passou pelos cinco adversários seguintes sem perder sets, ampliando freguesias sobre Richard Gasquet, Kei Nishikori e Juan Martin del Potro. A exibição na final deste domingo, à exceção de um ou outro momento em que o saque perdeu precisão, mostrou solidez, apuro tático e opções técnicas, como fica evidente nos 28 pontos que obteve nas 37 subidas à rede.

Esta é a quarta temporada que Djokovic marca dobradinhas. Ele venceu seguidamente Wimbledon e US Open em 2011, 2015 e 2018, tendo faturado Austrália e Roland Garros em 2016. Vale observar que em todos os casos foram pisos distintos, marca de sua versatilidade. Apenas em uma dessas três ocasiões ele não terminou a temporada como líder, superado por Andy Murray no último jogo do ano de 2016. Daí é bom o Touro Miúra colocar os chifres de molho, porque os atuais 1.035 pontos de vantagem no ranking da temporada (eu disse ranking da temporada!) não são tão grandes assim quando temos Xangai, Paris e Londres a completar o calendário.

Quanto a Delpo, duas coisas não ficaram claras: por que decidiu trocar bolas contra Djokovic em todo primeiro set, repetindo tática que havia feito contra Nadal? Era óbvio que levaria desvantagem de pernas ao longo do tempo. Depois, as frases enigmáticas que declarou na véspera que deram a entender a existência de problemas pessoais. Daí talvez as lágrimas ao final de uma partida que nem teve tanta emoção assim. No fundo, escapou de uma derrota muito mais elástica para um adversário superior em tudo.